Étude pour femme assise
Data 1918
Técnica Aguarela, guache e lápis sobre papel
Dimensões 24.5 x 18.5 cm
ID Inventário UID 102-708
img_5621.png
O neoplasticismo de Piet Mondrian assenta no uso exclusivo de linhas retas verticais e horizontais e numa paleta limitada às três cores primárias, às quais se juntam o preto e o branco. Esta obra, por conseguinte ligeiramente anterior ao neoplasticismo, corresponde a um momento em que Georges Vantongerloo trabalha o despojamento e a geometrização das formas.
Este estudo, anteriormente chamado Studies II [Estudos II], está associado, como se se tratasse de um tríptico, a duas outras obras da Coleção Berardo intituladas Studies I e Studies III. O primeiro, muito naturalista, mostra uma mulher nua; os outros dois, muito semelhantes, são variações sobre uma mancha amarela que poderia evocar o corpo nu da primeira. Sendo que as dimensões dos três estudos são diferentes, nada prova que se trata de um tríptico. Uma outra versão (coleção Chantal e Jakob Bill, in Georges Vantongerloo, Gallimard, 2008, p. 47), muito semelhante a esta, mas com variantes de cores – nomeadamente, o verde em vez do azul – é erradamente intitulada Étude pour homme assis [Estudo para homem sentado], embora se trate de uma mulher, como mostra a primeira pesquisa. O pintor encontra-se então a passar da figuração à abstração. Ilustra, aliás, o seu primeiro artigo, no número 9 da revista De Stijl, de julho de 1918, com uma série de desenhos que explicam essa sua transição da figura humana – um nu sentado – para formas geométricas e reproduz esta figura.
AC
Coleção do artista, Paris; Max Bill, Zurique; coleção particular, Alemanha; Georges Leonard Hutton Gallery, Nova Iorque; Maurice Keitelman Galerie, Bruxelas; adquirido em 1998.