11.º aniversário do Museu

11.º aniversário do Museu
23/06/2018
- 24/06/2018
Preço: 
0,00 €
11.º aniversário do Museu
23/06/2018
- 24/06/2018
Preço: 
0,00 €
Corpo de texto: 
O Museu Coleção Berardo celebra em junho de 2018 o seu 11.º aniversário. Para assinalar esta data, nos dias 23 e 24 de junho (sábado e domingo) a entrada será gratuita. Além disso, o Serviço Educativo criou uma programação especial, com atividades também gratuitas, destinadas a todos os que visitarem o museu naquele fim de semana.
 
23 DE JUNHO
 
Visitas temáticas (com uma duração de 30 minutos).
 
Piet Mondrian e uma nova imagem de super-homem 
O homem moderno foi o homem do desenvolvimento tecnológico, da era da máquina, da cidade e das suas velocidades. O homem moderno já voa… pelo território, pela filosofia, pelo desafio. De que modo é que a pintura neoplasticista nos traduz a ideia de super-homem?
 
Conceção e orientação: Fabrícia Valente.
Em torno da exposição Linha, Forma e Cor  Obras da Coleção Berardo.
Horário: 15h00.
 
 
Talking Picture de Man Ray escuta o som experimental de John Cash?
Dos ready-mades dadaístas aos importantes acasos surrealistas, Man Ray surpreende-nos com obras nas quais os discursos são plurais e experimentais. Na Coleção Berardo, também o som entra no seu leque tão pouco convencional. 
 
Conceção e orientação: Fabrícia Valente.
Em torno da exposição Coleção Berardo 1900–1960.
Horário: 15h45.
 
 
De Marcel Duchamp a Joseph Kosuth — a desmaterialização do objeto artístico
As apropriações dos objetos do dia-a-dia para o campo do objeto artístico vieram distanciar-nos da dimensão física e material. A escolha, a nomeação, a definição são as matérias-primas de um novo olhar, de uma nova validação… de uma conceptualização da obra de arte. 
 
Conceção e orientação: Fabrícia Valente.
Em torno das exposições Coleção Berardo 1900–1960 e Coleção Berardo 1960–2010.
Horário: 16h30.
 
Nota: a receção do Museu será o ponto de encontro.
 
 
Atividade contínua 
Os enredos da Coleção Berardo
O Museu Coleção Berardo comemora 11 anos! Muitas foram as exposições aqui realizadas, nas quais se criaram diferentes abordagens, diálogos e relações entre as obras da coleção. Pensar numa imagem por si mesma? Ou pensar numa imagem em relação a tantas outras?  Olhares coletivos e olhares individuais. Afinal, como nos relacionamos com as obras de arte? Que pensamento criamos a partir delas? Para comemorar este 11.º aniversário, convidamos o público a visitar o Museu, a criar connosco um grande mapa de enredos e a entrar num jogo de imagens, ideias, palavras e relações. 
 
Conceção: Fabrícia Valente e Marília Pascoal.
Horário: 15h00–18h00 | Para todas as idades.
 
 
Apresentação  As Escolhas dos Críticos
Apresentação em vídeo das visitas orientadas pelos críticos e historiadores de arte convidados pelo Serviço Educativo ao longo dos últimos anos.
 
Horário: 14h30–19h00 | Auditório do museu.
 
 
 
24 DE JUNHO
 
 
Visitas temáticas (com uma duração de 30 minutos).
 
O quadrado
O quadrado é uma figura essencial no vocabulário da arte abstrata. Definido como um retângulo com os lados iguais, o quadrado afasta-se dos tradicionais formatos vertical e horizontal, respetivamente do retrato e da paisagem. Assim, cria uma superfície encerrada sobre si mesma e, como tal, sintomática do processo de isolamento dos elementos internos que caracteriza a abstração.
Nesta visita, iremos revisitar a recorrência do quadrado na arte abstrata, não só como figura mas também como suporte, meio e consequência do processo de progressiva redução dos elementos fundamentais da pintura — inscrevendo-se simultaneamente como forma visual e produção intelectual.
 
Conceção e orientação: Jorge André Catarino .
Horário: 15h00.
 
 
A grelha
A par do monocromo, a grelha geométrica é um dos paradigmas da arte abstrata. Com precedentes na pintura antiga e no uso da perspetiva, aquela tem a função histórica de criar a estrutura subjacente à distribuição das figuras pelo quadro. Com o abandono da representação e do «anel do horizonte», que faziam do quadro um duplo da realidade, a grelha avança para o primeiro plano. Assim, afirmando-se como meio de separação entre a realidade pictórica interna e o exterior que lhe servisse de referente, inscreve-se como meio essencial para a definição da pintura enquanto medium específico e autónomo.
 
Conceção e orientação: Jorge André Catarino
Horário: 15h45
 
 
O monocromo
O monocromo e a grelha são os dois paradigmas da abstração. Definido simplesmente como pintura de uma cor só, o monocromo é alvo de várias reinvenções e vários retornos ao longo da história da arte do século XX. Assentando nas qualidades da pura materialidade, entende-se frequentemente o monocromo como veículo de acesso a uma dimensão espiritual; isto é, na sua redução e no seu despojamento visual, na sua procura pela essência da pintura, aponta uma superação da experiência puramente material, física, terrena, funcionando como facilitador de acesso às realidades transcendentes.
 
Conceção e orientação: Jorge André Catarino.
Horário: 16h30.
 
Nota: a receção do Museu será o ponto de encontro.
 
Atividade contínua
Desenhas tu ou desenho eu!?
Construção de engenhos «desenhantes», máquinas de desenho, que permitem criar no espaço uma rede de linhas e manchas que se cruzam e que dialogam umas com as outras. Partindo da exposição da Coleção Berardo, o público é desafiado a utilizar e a manipular estas máquinas e realizar os próprios desenhos/pinturas no espaço do Museu, levando consigo folhas de papel intervencionadas.

Conceção: Hugo Barata.
Horário: 15h00-18h00 | Para todas as idades.

 
Apresentação  As Escolhas dos Críticos
Apresentação em vídeo das visitas orientadas pelos críticos e historiadores de arte convidados pelo Serviço Educativo ao longo dos últimos anos.
 
Horário: 14h30–19h00 | Auditório do museu.