Constelações II: uma coreografia de gestos mínimos

Constelações II: uma coreografia de gestos mínimos
Exposição temporária
Inauguração: 
09 Out 2019 - 19h
10/10/2019
- 31/05/2020
Piso: 
-1
Curadoria: 
Ana Rito
Hugo Barata
Constelações II: uma coreografia de gestos mínimos
Exposição temporária
Inauguração: 
09 Out 2019 - 19h
10/10/2019
- 31/05/2020
Piso: 
-1
Curadoria: 
Ana Rito
Hugo Barata
Corpo de texto: 

"Não se deve dizer que o passado ilumina o presente ou que o presente ilumina o passado. Uma imagem, ao contrário, é aquilo em que o Outrora encontra, num relâmpago, o Agora, para formar uma constelação". (Walter Benjamin)

As denominações que utilizamos para as diferentes constelações estão imbuídas de história, tradição e mito. Enquanto aglomerações imaginárias de estrelas, sempre foram alvo do fascínio do homem. Este, perplexo com aquilo que o rodeia, comprometeu-se a decifrar as suas próprias origens com base num espaço mítico e cosmogónico atravessado por intenções sobre-humanas — um espaço ilimitado —, acomodando também as vontades antagónicas dos deuses. Fascinado desde tempos remotos com a esfera celeste que é o seu planeta, e instigado pela demanda investigatória do seu olhar, as estrelas e as constelações surgiram nos mapas e nos mitos sob a forma de narrativas e signos vários. Nessas marcas luminosas aparecidas no céu, o espírito do homem encontrou índices misteriosos acerca do universo, da vida e da humanidade. Este é o território no qual a constelação surge primeiramente, entre as estrelas fixas com o dom da imortalidade e uma permanente lembrança de destinos coletivos e individuais.
Walter Benjamin propôs notoriamente no prólogo epistemológico-crítico de "A Origem do Drama Trágico Alemão" (1928) que as ideias estão para os objetos como as constelações estão para as estrelas. Ou seja, as ideias não se encontram realmente presentes no mundo mais do que as constelações realmente existem nos céus. De alguma forma, a obra de arte é uma poderosa metáfora da constelação.
Dando continuidade ao projeto apresentado em abril deste ano, o objetivo de Constelações II: uma coreografia de gestos mínimos é assumir a Coleção Berardo como um território horizontal para a curadoria investigativa. Nesta investigação, surgem «cortes» verticais — incisões na sua estabilização permanente — que encetam relações mais ou menos aproximadas no tempo e no espaço. Adotando uma postura anacrónica que mergulha subtilmente nos diferentes núcleos, tenta-se olhar e altivar os distintos tempos históricos através da sua influência sobre as produções artísticas contemporâneas.
A exposição desenvolve-se a partir de um núcleo central de obras no qual a visualidade da forma constelar é trabalhada de maneira mais evidente, sendo depois desenhado um fluxo de intervenções que perpassa pelos restantes núcleos da Coleção Berardo, numa linha narrativa desprendida (e conceptual) em torno do conceito filosófico de constelação. O espaço do Museu torna-se um espaço de experimentação, resultado de uma «coreografia» de processos de pensamento. O intuito é fornecer uma representação conceptual de um modelo de investigação para a coleção que se encontre em constante evolução e que se abra a um horizonte especulativo e poético.

Curadoria de Ana Rito & Hugo Barata

Obras de: "Constelações II: uma coreografia de gestos mínimos" tem obras de: Nuno Sousa Vieira, Fernanda Gomes, Kazimir Malevich, Os Espacialistas, Félix González-Torres, Fernando Calhau, Giulio Paolini, Jemima Stehli, Ignasi Aballí, Ana Hatherly, Susana Mendes Silva, José Maçãs de Carvalho, Jack Pierson, Glenn Ligon, Mark Rothko, Angel Vergara, Sarah Lucas, Gina Pane, Ernesto de Sousa, João Tabarra, Rui Chafes, Douglas Gordon, Maya Deren e Diogo Pimentão.

Imagem:  "O Pavão Negro" (1999), de Ana Hatherly.


Constelações II: uma coreografia de gestos mínimos
10.10.2019 - 31.05.2020
Museu Coleção Berardo - Lisboa