your body is my body — o teu corpo é o meu corpo

your body is my body — o teu corpo é o meu corpo
Exposição temporária
17/04/2015
- 03/04/2016
Piso: 
-1
Curadoria: 
Isabel Alves
your body is my body — o teu corpo é o meu corpo
Exposição temporária
17/04/2015
- 03/04/2016
Piso: 
-1
Curadoria: 
Isabel Alves
Corpo de texto: 

A exposição your body is my body — o teu corpo é o meu corpo é uma seleção de cerca de trezentos cartazes de arte e política, nacionais e estrangeiros, feita a partir do acervo reunido por Ernesto de Sousa ao longo da sua vida e datados entre 1933 e 1988, que se apresenta no Museu Coleção Berardo, no piso -1, de 17 de abril a 27 de setembro de 2015 (agora até 3 de abril de 2016). Este espólio, agora denominado como Coleção de Cartazes Ernesto de Sousa e integrado na Coleção Berardo, constitui um panorama vasto sobre a produção cultural das neovanguardas em Portugal e na Europa. Mas é também um itinerário imaginário, mapa de muitas viagens, narrativa de encontros, onde a personalidade de Ernesto de Sousa pode ser redescoberta.

Ernesto de Sousa (1921-1988), artista, crítico, curador, poeta, cineasta e agitador cultural, interessou-se particularmente pelo cartaz, observando e explorando as possibilidades deste medium – e das artes gráficas em geral. Para Ernesto de Sousa, o cartaz é um mediador potencialmente privilegiado de comunicação entre o indivíduo e a sociedade, carácter que ele identifica claramente num ensaio de 1965, dedicado às artes gráficas: «O que caracteriza as artes gráficas atualmente é que elas são veículo direto, senão instrumento, de uma nova síntese. Antes de mais nada: síntese das mais diversas linhas de progresso. Que elas evoluam como forma ao serviço de um conteúdo “comercial”, num contexto dominado pelo investimento de capitais e pela febre do rendimento, isso não lhes retira a vocação mais íntima, a vocação a um conteúdo humano de “liberdade”, e onde a contradição entre o individual e o coletivo tenha ultrapassado a sua agudeza atual. São assim um dos mais ricos terrenos de encontro do progresso da tecnocracia, com a mais progressiva democracia. Encontro que as contradições do mundo atual demoram, mas que, provavelmente não deixará de verificar-se. Somente que a urgência é nossa…»

A Coleção de Cartazes Ernesto de Sousa constitui um arquivo de afetos. Dos cartazes das suas próprias obras, alguns realizados sob a sua direção, aos recolhidos nas suas viagens ou recebidos pelo correio na sequência de encontros, passando pelos cartazes dos artistas que lhe eram próximos – de Alberto Carneiro a Helena Almeida, de Wolf Vostell a Robert Filliou, passando por Julião Sarmento, Ângelo de Sousa, entre muitos outros –, a exposição your body is my body — o teu corpo é o meu corpo desenvolve-se em torno do percurso de vida de Ernesto de Sousa, das suas paixões e encontros com as pessoas que ele admirava e que com ele se uniam espiritualmente e intelectualmente. A seleção de cartazes que é agora apresentada evidencia o espírito multidisciplinar de Ernesto de Sousa, que se debruçou sobre problemáticas transversais às artes plásticas, ao cinema, ao teatro e à política, e a transdisciplinaridade que caracteriza a sua obra.

Por ocasião da exposição, será publicado um catálogo que reúne uma seleção mais alargada de cartazes, complementada por um conjunto de imagens documentais, e reedita um conjunto de textos de Ernesto de Sousa – entre os quais o ensaio «Artes Gráficas, Veículo de Intimidade», de 1965. Este livro inclui também ensaios inéditos de José Bártolo e Rui Afonso Santos.

Para assinalar o lançamento do livro, realiza-se no museu, no dia 14 de maio, uma mesa-redonda com os autores e Isabel Alves, curadora da exposição, no anfiteatro do museu, às 18h. A entrada é livre.

Texto secundário: 

Todo o cartaz é político.
— Ernesto de Sousa, 1977