Inauguração da exposição de Pedro Barateiro

Inauguração da exposição de Pedro Barateiro
11/02/2015
Corpo de texto: 

 

A exposição Palmeiras Bravas/The Current Situation de Pedro Barateiro inaugura no Museu Coleção Berardo no dia 11 de fevereiro.

Nas palavras de Pedro Lapa, diretor artístico do museu e curador da exposição, esta «é constituída por trabalhos concebidos especificamente para o efeito e que se articulam entre si através de diversas narrativas para produzirem uma observação inquietante do presente estado da cultura onde vivemos. A estranheza de cada imagem, objeto, filme ou escultura implica um conhecimento associado a uma prática e a uma política com os quais se entrelaçam as comunidades e os atores, que somos nós, num determinado confinamento histórico. Por isso estes trabalhos ocupam uma posição de fronteira, são um local de conflito onde a naturalização das tensões e a mitificação das fantasmagorias se revertem uma na outra para revelar as diferenças que os articulam e se jogam nas diversas narrativas que organizam a exposição.»

Durante a exposição (encerra dia 24 de maio), o público é convidado a participar num programa de atividades que inclui uma performance de Pedro Barateiro, em colaboração com Quinn Latimer, realizada a partir de uma das peças exibidas (ocorrerá no museu no início de abril, em data a anunciar, e posteriormente no REDCAT de Los Angeles); a apresentação dos filmes We Belong to Other People When We're Outside e Feitiço/Spell, realizados por Pedro Barateiro em 2013 (projetados no anfiteatro do museu nos dias 14 de fevereiro, 14 de março, 18 de abril e 16 de maio, sempre às 16h00); bem como um conjunto de visitas orientadas e outras atividades que serão atempadamente anunciadas aqui.

Com a performance, será lançado um livro com ensaios de Pedro Lapa, Margarida Mendes e Sepideh Bazazi, tendo como referência Palmeiras Bravas/The Current Situation e incluindo o registo fotográfico da exposição.

Pedro Barateiro (n. 1979) começou a expor individualmente em 2003. Das mais recentes exposições individuais destacam-se We Belong to Other People When We're Outside, Kettle's Yard, Cambridge, 2013; Hoje estamos de olhos fechados, Kunsthalle Lissabon, Lisboa, 2010; Theatre of Hunters, Kunsthalle de Basel, 2010; Teoria da Fala, Casa de Serralves, Fundação de Serralves, Porto, 2009; e Domingo, no Pavilhão Branco, Museu da Cidade, Lisboa, 2008. Das exposições coletivas destacam-se Há sempre um copo de mar para um homem navegar, 29.ª Bienal de São Paulo, 2010; Revolutions – Forms That Turn, 16.ª Bienal de Sydney; e When things cast no shadow, 5.ª Bienal de Berlim, ambas em 2008.

A inauguração está marcada para dia 11 de fevereiro, às 19h00, no piso 0 do museu. A entrada é livre.