Inauguração da exposição “Modernismo Brasileiro na Coleção da Fundação Edson Queiroz”

Inauguração da exposição “Modernismo Brasileiro na Coleção da Fundação Edson Queiroz”
26/10/2017
Corpo de texto: 

No próximo dia 26 de outubro, o Museu Coleção Berardo inaugura a exposição dedicada ao “Modernismo Brasileiro na Coleção da Fundação Edson Queiroz”, que reúne uma seleção do magnífico acervo dessa Coleção, destacando um conjunto de obras produzidas entre as décadas de 1920 e 1960, quer por artistas brasileiros, quer por estrangeiros residentes no país.

Entre as pinturas e esculturas presentes na exposição, encontram-se obras que vão da primeira fase moderna no Brasil, ainda com formação europeia – como Lasar Segall, Flávio de Carvalho, Anita Malfatti, Vicente do Rego Monteiro e Victor Brecheret – até ao aparecimento do manifesto neoconcreto carioca, já na segunda metade do século XX.

O percurso expositivo inclui também artistas interessados na busca de um imaginário próprio para o país, como Tarsila do Amaral, Cícero Dias, Di Cavalcanti e Candido Portinari. Depois, aponta para as novas vertentes abstratas e formais do pós-guerra, cujos representantes são Alfredo Volpi, José Pancetti e Maria Leontina. Seguindo cronologicamente, a exposição apresenta obras de integrantes do Grupo Frente e do Grupo Ruptura, que acompanharam um novo momento da arte brasileira, marcado pelo aparecimento dos Museus de Arte Moderna do Rio de Janeiro e de São Paulo, e da Bienal Internacional de São Paulo, em 1951.

A exposição encerra com a produção das décadas de 1950 e 1960, revelando uma diversidade de expressões artísticas, tão evidentes nas obras de Ivan Serpa, Tomie Ohtake e do próprio Iberê Camargo, como nas propostas radicais de artistas que tinham participado no movimento neoconcreto carioca. Trata-se do momento em que uma completa revisão de paradigmas se opera e a arte brasileira toma novos rumos, aproximando-se da chamada arte conceptual.

Exposição realizada com o Alto Patrocínio da Embaixada do Brasil.

Curadoria de Regina Teixeira de Barros.

Patente até 11 de fevereiro de 2018.

Imagem de capa: José Pancetti, Monteserrat, Bahia, 1956