Lisboa-Roterdão
Data 2001
Técnica Reboque, maqueta de cidade costeira, água com corante e sistema de vídeo
Dimensões 160 x 160 x 80 cm
ID Inventário NA-941
1534.jpg
As viagens de carro são veículos para boas histórias, pelo que, naturalmente, Palma as incorporou na sua obra. Em Lisboa-Roterdão (2001), o artista conduziu entre as duas cidades um atrelado que continha uma caixa de plexiglas com a maquete de um aldeamento. No interior da caixa, havia água de tonalidade azul que ameaçava inundar a aldeia de cada vez que o carro passava sobre algum buraco na estrada ou fazia uma curva apertada. A obra faz referência ao imenso e imprevisível poder da natureza: os terramotos em Portugal e as inundações em Roterdão. Ambas as cidades passaram centenas de anos a preparar-se para um futuro imprevisível, mas nada pode prevenir uma inevitável catástrofe. À semelhança de Lisboa-Roterdão, uma vez na estrada, não há como evitar o perigo. Uma eventual estabilidade regional alcança-se apenas com o tempo — um elemento que ninguém consegue controlar. (PJ)